Mostrar mensagens com a etiqueta vida selvagem. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta vida selvagem. Mostrar todas as mensagens

Carta aberta de um activista aos turistas que passeiam em elefantes


Queridos Turistas,

Os elefantes não vos querem nas suas costas. Eles querem estar na selva, a derrubar árvores e a brincar nos rios. Isto é o que não vos dizem quando vocês vão montar um elefante. Para fazê-los carregar turistas, o que é algo totalmente contra o seu instinto, os seus espíritos precisam de ser quebrados.
Para isso, os bebés elefantes são torturados por cerca de três dias seguidos, num processo chamado Phajaan ou Crush porque, basicamente, a tortura esmagará o espírito dos animais. Eles são amarrados, espancados, golpeados com anzóis e deixados à fome até que os seus olhos fiquem sem brilho e sem vida e deixem de resistir. Agora, o elefante está treinado e pronto para se submeter à vontade dos seus donos e transportar turistas.
Vocês ainda querem ir lá e pagar por esta actividade turística cruel? Espero que não.
Por favor, não montem elefantes! E, por favor, façam com que os vossos amigos e familiares saibam para não apoiar esta prática cruel.

Por
Abbas Mvungi


Akashinga: As mulheres que lutam contra a caça furtiva em África

Fotografia: Adrian Steirn/Photographers Against Wildlife Crime/Wildscreen

São mães solo, esposas abandonadas, órfãs e vítimas de violência doméstica. Mulheres que sofreram abusos extremos e que encontraram protecção protegendo os animais. As Akashinga (Corajosas na língua shona) são um grupo de elite contra a caça furtiva no Zimbabwe. Nesta unidade conquistaram a tão desejada emancipação, continuamente rejeitada pelo forte sistema patriarcal. E, em pouco tempo, provaram estar ao mesmo nível dos homens, se não mesmo ultrapassando-os.

Dian Fossey: A mulher que deu a vida pelos gorilas


Dian Fossey foi uma zoóloga americana que nasceu em São Francisco no dia 16 de Janeiro de 1932 e ficou conhecida pelo seu trabalho científico e de conservação com os gorilas das Montanhas Virunga, na Ruanda e no Congo.

A sua paixão pelos animais era inata mas foi várias vezes bloqueada devido à pressão familiar: encorajada pelo padrasto, entrou para a faculdade e inscreveu-se num curso ligado a economia e negócios.
Nas férias de Verão foi trabalhar num rancho em Montana e o seu apego pelos animais falou mais alto: Dian decidiu ouvir o coração e, quando regressou, começou a cursar Medicina Veterinária na Universidade da Califórnia. Todavia, as áreas da Química e da Física tornaram-se um obstáculo e acabou por optar por uma licenciatura em Terapia Ocupacional na Universidade Estadual de San Jose, que completou com êxito em 1954.